segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Platônico

Sem querer. Sem arder. Sem ganhar ou perder.
Com uma única certeza, mas com muitas dúvidas.
Dia após dia se renovando. Crescendo. Surpreendendo.
É o ideal. É prazer insensato. Anormal.
Arrebatador, encantador e molestador. Inteiramente abusivo e abusado.
Não, não é flor que se cheire. Mas se cheira.
Sublime. Suprime. Surpresa.
Olhou, gostou, flertou.
É cego e capenga. Não vive, sobrevive.
Acontece, amadurece, enaltece, entristece.
Viaja e volta. Já volta querendo viajar de novo. E viaja de novo.
É estúpido e esmagador. Audacioso.
Metido, vestido de amargo.
Amargo com gosto de doce no começo.
Inocente e ingênuo como o diabo no inferno.
Irresistível, saboroso e insistente.
Brilhoso, reluzente.
Veneno aparentemente sem antídoto.
Belo mesmo sendo a pior imagem da feiura.
É dolorido. Levanta sem nunca ter caído.
É mais inimigo do que amigo.
É inexistente, inoperante, incansável.
Incontrolável, inviolável e majestade na arte de ser absoluto enquanto dura.
Pode durar pouco. Pode durar muito.
Mas dura o tempo necessário para se tornar vergonhoso.
Não cai no esquecimento, mas também não traz alento.
É platônico de natureza, mas atônito de realidade.

3 comentários:

  1. MEU DEUS DO CEU..VIRE FÃ..MUITOOOOOOOOOOOO BOA SUAS PALAVRAS..MUITO BEM FEITA...COM UM POUCO DE RIMA..NAO FOI ENJUATIVO..NAO FICO SO NUM ASSUNTO..FICO OTIMO..PARABENS...

    SEGUINDO COM MUITOO PRAZER...

    SUCESSO.ABRAÇO!!



    www.ipinformundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ah, que é isso... brigada pelo elogio. :)
    Seu blo é extremamente útil e interessante tb, já tô seguindo!
    Sucesso pra nós!

    ResponderExcluir
  3. seguindo
    www.rtirinhas.blogspot.com

    ResponderExcluir